COMBATE AO CORONAVÍRUS

Cartilha Informativa

 

O QUE É O CORONAVÍRUS/COVID-19

 

É de uma família de vírus que recebeu esse nome por ter uma superfície com espiculas que lembram uma coroa

Os vírus mais conhecidos e que podem causar infecções respiratórias em seres humanos e animais são o SARS-CoV e o MERS-CoV.

Recentemente foi identificado um novo vírus da família coronavírus, o SARS-CoV-2, causador do COVID-19. Que causa doenças respiratórias leves, semelhante a um resfriado comum, podendo evoluir para pneumonia e em alguns casos, para Síndrome Respiratória Aguda.

 

TRANSMISSÃO

 

O vírus pode ser transmitido pelo contato com uma pessoa contaminada, pelo toque ou aperto de mãos, gotículas de saliva, tosse, espirro ou catarro, tendo um período de incubação de 5 a 14 dias.

SINTOMAS

 

Os sintomas da COVID-19 podem variar de um resfriado, a uma síndrome Gripal, isto é, pessoa com quadro respiratório agudo, caracterizado por sensação febril ou febre (temperatura acima de 37,8°C), acompanhada de tosse OU dor de garganta OU secreção nasal OU dificuldade respiratória.

Em alguns casos de COVD-19, a febre pode não estar presente.

Em crianças, além dos sintomas anteriores, considera-se a obstrução nasal, a desidratação e a falta de apetite também é considerado sintoma.

Alguns casos podem se agravar caracterizando a Síndrome Respiratória Aguda, isto é, a Síndrome Gripal que apresenta dificuldade para respirar, OU pressão persistente no tórax OU coloração azulada dos lábios ou rosto. Nestes casos o médico deve ser procurado imediatamente.

 

TRATAMENTO

 

Até o momento não existe vacina ou medicamento específico disponível para o COVID-19. O tratamento é feito com base nos sintomas de cada paciente. Os seguintes cuidados são recomendados:

- Isolamento domiciliar nos casos suspeitos ou confirmados, preferencialmente em quarto separado dos demais membros de sua família, com porta fechada, janelas abertas e bem ventilado por pelo menos 14 dias. Deixe o isolamento domiciliar somente se solicitado pelo médico;

- Repouso;

- Ingestão de líquidos;

- Medidas para aliviar os sintomas, como analgésicos e antitérmicos desde que prescritos pelo médico;

- Em casos de maior gravidade, procurar imediatamente um hospital.

 

PREVENÇÃO

 

Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, orienta- se: 

- Lavar com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então higienize com álcool em gel 70%. Essa frequência deve ser ampliada quando estiver em algum ambiente público (ambientes de trabalho, prédios e instalações comerciais, etc), quando utilizar estrutura de transporte público ou tocar superfícies e objetos de uso compartilhado.

- Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com a parte interna do cotovelo.

Não tocar olhos, nariz, boca ou a máscara de proteção fácil com as mãos não higienizadas.

Se tocar olhos, nariz, boca ou a máscara, higienize sempre as mãos como já indicado.

- Manter distância mínima de 1 (um) metro entre pessoas em lugares públicos e de convívio social. Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote um comportamento amigável sem contato físico, mas sempre com um sorriso no rosto.

- Higienizar com frequência o celular, brinquedos das crianças e outros objetos que são utilizados com frequência.

- Não compartilhar objetos de uso pessoal como talheres, toalhas, pratos e copos.

- Manter os ambientes limpos e bem ventilados.

- Evite circulação desnecessária nas ruas, estádios, teatros, shoppings, shows, cinemas e igrejas.

- Se estiver doente, evitar contato próximo com outras pessoas, principalmente idosos e doentes crônicos, busque orientação pelos canais on-line disponibilizados pelo SUS ou atendimento nos serviços de saúde e siga as recomendações do profissional de saúde.

- Dormir bem e tenha uma alimentação saudável.

- Recomenda-se a utilização de máscaras em todos os ambientes.  As máscaras de tecido (caseiras/artesanais), não são Equipamentos de Proteção Individual (EPI), mas podem funcionar como uma barreira física, em especial contra a saída de gotículas potencialmente contaminadas.

 

DIAGNÓSTICO

 

1-DIAGNÓSTICO CLÍNICO-EPIDEMIOLÓGICO 

É realizado pelo médico atendente no qual se considera: Casos de paciente com a associação dos sinais e sintomas supracitados ou SRAG MAIS histórico de contato próximo ou domiciliar, nos últimos 14 dias antes do aparecimento dos sintomas, com caso confirmado laboratorialmente para COVID-19 e para o qual não foi possível realizar a investigação laboratorial específica.

2- DIAGNÓSTICO CLÍNICO-IMAGEM

Caso de sintomas respiratório mais febre ou SRAG ou óbito por SRAG que não foi possível confirmar ou descartar por critério laboratorial e que apresente alterações tomográficas.

3 - DIAGNÓSTICO LABORATORIAL 

 Caso o paciente apresente os sintomas respiratórios mais febre ou SRAG. O profissional de saúde poderá solicitar os seguintes exames laboratoriais:

- De biologia molecular, (RT-PCR em tempo real) que diagnostica tanto a COVID-19, a Influenza ou a presença de Vírus Sincicial Respiratório (VSR) normalmente até o oitavo dia de início de sintomas.

- Imunológico, que detecta, ou não, a presença de anticorpos em amostras coletadas a partir do oitavo dia de início dos sintomas.

- Imunocromatografia (teste rápido) para detecção de anticorpos;

- Imunoensaio por Eletroquimioluminescência (ECLIA).

- Pesquisa de antígenos: resultado reagente para SARS-CoV-2 pelo método de Imunocromatografia para detecção de antígeno.

 

 

IMPORTANTE


Estimule familiares, amigos e colegas de trabalho sobre a importância do uso de máscara e da higienização das mãos na prevenção da disseminação do vírus causador da doença COVID-19.

Fonte: Ministério da Saúde